Intercâmbio nos Estados Unidos: a experiência da Gabriela

27 março 2012


Continuamos nas Américas, mas dessa vez descemos um pouquinho e paramos nos Estados Unidos, destino visado por uma boa parte dos intercambistas – e também dos que sonham com um intercâmbio, né? Confesso que toda a burocracia em torno do visto americano me deixa meio com birra de ir pra lá, mas New York, com certeza, é um dos meus sonhos de consumo em formato de viagem!

Pois a linda da Gabriela Alkmin da Costa não apenas passou três semanas por lá, como atravessou o país e ficou mais três semanas na Califórnia. Gabi, que é minha amiga de longa data, tem 22 anos, é paulistana e faz bacharelado e licenciatura em português e inglês na USP. Quando ela decidiu fazer o intercâmbio, estava há quatro anos sem estudar inglês. Vocês podem encontrá-la através do Twitter, do Facebook, do Orkut, do Skoob e do blog que ela mantém.

O esquema da entrevista é o mesmo de sempre: as perguntas mais básicas são minhas e as mais específicas ficam por conta de vocês, que podem abusar da caixa de comentários. Aí levo pra Gabi e trago as respostas - ou ela mesma dá o ar da graça. E, como sempre, quem estiver a fim de compartilhar suas experiências fora do país está mais do que intimado. Basta entrar em contato!


Por que os Estados Unidos?

Eu tinha, basicamente, três opções: Canadá, EUA e Inglaterra. Nunca cheguei a pensar na Austrália ou na Nova Zelândia. Estava pensando em dois fatores: dinheiro e turismo. O objetivo, é claro, era estudar, mas, como é muito difícil, para mim, viajar, queria aproveitar a oportunidade e fazer um pouco de turismo também. O Canadá era uma boa opção pelo preço, mas não estava entre os lugares que mais queria conhecer. A Inglaterra era tentadora, pois sou louca para conhecer a Europa, mas a moeda é mais cara (no fim, com a subida do dólar, nem sei se ficou tão mais barato assim). Os Estados Unidos era meio-termo: preço intermediário, lugares que queria conhecer. Ser obcecada por New York ajudou bastante. Sempre imaginei New York como uma cidade enorme e movimentada, com as mais varias opções de lazer e com uma cultura muito rica – não me decepcionou. Como, nos EUA, só queria muito conhecer dois lugares, resolvi dividir meu intercâmbio em dois – Costa Leste, New York, Costa Oeste, Califórnia.


Como foram os preparativos para o intercâmbio?

Comecei a pensar no intercâmbio mais ou menos um ano antes de realizá-lo. Na minha faculdade, existe um ciclo básico e, depois dele, você escolhe sua língua. Ao contrário de todas as outras línguas, em inglês, eles exigem que você tenha um conhecimento bom. Portanto, achei que seria ideal fazer o intercâmbio no final do ciclo básico, antes de começar o bacharelado em inglês. Pesquisei algumas agências, mas meu pai tinha gostado muito da EF. Eu também gostei muito da EF porque ela tinha algumas aulas de interesse especial que me interessavam muito. São aulas sobre assuntos específicos. Por exemplo, em NY, cheguei a ter aula de literatura, escrita criativa, filmes. Passei meio ano conversando com a moça da agência por email antes de decidir – e enquanto isso, mudei várias vezes de ideia quanto ao destino e o período. No fim, consegui fechar 12 semanas graças às minhas enormes férias escolares e escolhi os EUA, como disse. Enquanto pagava o intercâmbio, o dólar (que eu acompanhei por um ano nos jornais, haha) começou a subir, o que acelerou terminar de pagar o pacote, comprar as passagens e tal. Depois, a grande preocupação foi as malas. Não sabia o que levar para o frio de Nova York. Acho que levei muita roupa – até porque as roupas daqui não são suficientes para o frio de lá e acabei tendo que comprar novos casacos. Sai do Brasil com duas malas quase cheias e acho que isso não é a melhor opção: se conseguir levar tudo em uma só mala e depois trazer a segunda de lá, melhor.


Como foi a tua vida de intercambista? As melhores partes e as nem tão agradáveis assim?

Eu acho que acabei experimentando os prós e contras do intercâmbio. E eles meio que se polarizaram nos lugares – NY foi mais cheio de prós, Califórnia, de contras. Nos dois lugares, fiquei na escola, tive medo de homestay depois de ouvir histórias nem tão legais a respeito. Mas, pensando bem, acho que, tanto na homestay quanto no campus, é questão de sorte. Em relação à família e aos roommates. Acho que dei sorte com meus roommates. Em New York, eu me senti mais em casa – talvez o clima da cidade realmente lembre um pouco São Paulo, é com o que estou acostumada. Além disso, a escola era melhor estruturada – maior, com mais opções de aulas especiais, como os exemplos que citei acima, aulas mais dinâmicas, o próprio clima da escola era mais dinâmico. Em San Diego, a escola era menor, ficava muito afastada da cidade, era difícil se locomover – em New York, havia o trem e o metrô, fáceis e eficientes. As aulas de interesse especial em San Diego não me interessaram muito e as aulas gerais eram mais monótonas. Talvez por esses relacionamentos tão diferentes com as cidades, eu tenha tido sentimentos diferentes. Em New York, experimentei a parte boa do intercâmbio. A empolgação de estar em outro país, de conhecer lugares que você via na televisão e sonhava com, conhecer muita gente. Quando o natal chegou, ainda em New York, comecei a sentir saudades e, claro, a tendência era piorar – e acho que piorou muito em San Diego, talvez por tudo que já mencionei. Lá experimentei a sensação de me sentir sozinha, de morrer de saudades de casa, de querer voltar – sensações que, em New York, eu senti mais nas datas comemorativas, natal e ano novo. Faz diferença estar com a família nesses dias.


Como foi lidar com o inglês?

O inglês. Bem, no começo, foi um pouco desesperador. Cheguei no meu quarto, não entendia bem o que minhas roommates diziam, soltava algumas palavras em português de vez em quando – embora menos frequente, continuei fazendo isso depois. Eu sou muito tímida já em português, imagine em inglês. Aqui eu me sinto na obrigação de alertar para um problema: amizades com pessoas do mesmo país que você. É meio inevitável, você se sente mais próxima dos brasileiros – e estendo isso aos sul-americanos. Era mais fácil falar e fazer amizade com os latinos do que com os europeus, por exemplo. Talvez as culturas sejam mais próximas. Em New York, fiz amizade com muitos brasileiros e a gente falava muito português. Em San Diego, como ando mais com o pessoal que fala espanhol, acabei falando mais inglês fora da sala de aula. Foi uma inversão engraçada – em New York, como as aulas eram mais motivantes, falava mais inglês dentro da sala do que fora, em San Diego, com as aulas nem tão motivantes assim, falava mais inglês fora da sala de aula. Recomendo tomar cuidado com o português – inevitavelmente – falado fora da sala de aula, para não deixar que você fale mais português do que inglês.


Quais são os lugares imperdíveis a serem visitados em Nova York e na California, na tua opinião?

Pergunta difícil! Eu fiquei completamente apaixonada por New York. Foi tudo aquilo que eu sempre imaginei. É uma cidade em que eu viveria, sem dúvidas. Vou começar pelos clichês: ver as luzes fascinantes da Times Square, ver a árvore de natal do Rockefeller Center, ir à Estátua da Liberdade (passeio de turista, mas você não pode ir a New York e não visitá-la), ver a cidade de cima do Rockefeller Center ou do Empire State Building (preferi a vista do Empire State Building, embora seja mais lotada), passear pela quinta avenida até o Central Park, outro lugar lindo. Para quem gosta de livros, a biblioteca municipal de New York é uma boa dica, é um prédio maravilhoso. Para quem se interessa por diplomacia, tem visita monitorada na ONU, onde você pode conhecer o Conselho de Segurança e a sala da Assembléia Geral. Para quem gosta de teatro, você tem que ver um musical da Broadway – é lindo! Eu assisti Wicked e valeu cada cent. Outra coisa muito legal em New York são os museus – nunca tinha visto museus com uma infraestrutura tão boa. O Metropolitan Museum of Art é incrível – cada ala do museu tem uma atmosfera própria, é como se você estivesse viajando pelos tempos e lugares. O American Museum of Natural History, aquele do filme Uma noite no Museu, é muito bom também. Ah! Lojas que você tem que visitar: FAO Schwarz, uma loja de brinquedos muito bacana e Dylan Candy’s, uma loja de doces incrível. Não é em New York, mas, se você gosta das universidades americanas como eu, Yale fica há umas três horas de New York e é realmente muito bonita. Aliás, Washignton e Boston ficam perto de New York, mas não tive tempo de conhecê-las, infelizmente. Acho que me empolguei falando de New York, haha. Agora a Califórnia... A Califórnia é muito bonita mesmo, um clima totalmente diferente do que tô acostumada. Mais sol, pessoas de bem com a vida, uma clima muito diferente do estresse de São Paulo (que eu amo, haha). O que mais valeu a pena lá foi conhecer os lugares aos fins de semana. Los Angeles é imperdível. Você tem que conhecer alguma praia (a de Santa Monica é muito bonita), ir para Hollywood, visitar a calçada da fama, o teatro chinês, o teatro Kodak, é muito legal vê-los ao vivo. Outra coisa muito legal é o Six Flags, um parque de diversões perto de L.A. Foram as montanhas russas mais radicais que já fui, uma delas fazia com que você virasse 360 graus no carrinho (não no trilho, o carrinho girava, haha), além de ter efeito de luz, som, fogo. Incrível mesmo. Em San Diego, o zoológico, famoso pelos seus pandas, é uma ótima opção para quem gosta de animais – ao contrário da maioria dos zoológicos, eles parecem muito bem tratados ali. O zoológico fica no Balboa Park, um parque muito bonito e cheio de museus, jardim botânico, etc. Por fim, não poderia faltar: Las Vegas. Ficava a oito horas de San Diego, mas valeu a pena. É uma cidade tão incrível que parece que não existe. Muitos hotéis temáticos, cassinos, parece um parque de diversões. Valeu muito a pena visitá-la. De quebra, ainda fui visitar o Grand Canyon, que fica a cinco horas de Las Vegas e é uma das coisas mais lindas que já vi. As fotos não fazem justiça, sério.


Posso acrescentar uma coisa? Eu adorei meu intercâmbio, acho que cresci muito com ele, mas, se tivesse uma outra oportunidade de fazer intercâmbio, faria diferente. Acho que compensa mais você fazer um curso em uma universidade do país. Claro que, para isso, você já tem que ter um inglês avançado, prova de proficiência, ser aceito na universidade. Mas talvez seja melhor um lugar assim. Um lugar em que você seja um dos poucos estrangeiros e tenha, realmente, que lidar com o inglês o tempo todo. Um lugar em que você esteja cercado por nativos. Em escolas de línguas, você tem mais contato com gente de outros países, que, como você, tem o inglês como segunda língua. Talvez estar numa universidade estrangeira, cercado de nativos, force mais o seu inglês do que o ambiente internacional e mais flexível de uma escola de línguas.

43 comentários

  1. AMEEEI o post. Principalmente porque trata-se de intercambio em NY. *-*
    http://oicarolina.wordpress.com

    ResponderExcluir
  2. Aaaaaaaaah que delícia! Queria muito fazr intercâmbio em Londres *-* Adorei!

    ResponderExcluir
  3. SHOW!!!!
    Um dos meus maiores sonhos é fazer intercâmbio. Tenho muita vontade de conhecer a Inglaterra, mas infelizmente minhas condições financeiras não permitem que eu realize esse sonho :(
    Enfim, adorei a entrevista que tu fez, da mais vontade ainda de fazer intercâmbio, mesmo eu não sendo muito fã dos EUA.

    Seu blog é lindíssimo e eu adorei o tema, já vi vários diários de intercâmbio, mas nunca vi um que falasse sobre os intercâmbios de várias pessoas. Muito original. Adorei :D

    ResponderExcluir
  4. Intercâmbio por lá deve ser um sonho, né, Cáah? Pena que o negócio do visto é meio chato. :(

    :*

    ResponderExcluir
  5. Eu também queria, Mariana Ferrer! Mas não sei se vai rolar. :|

    :*

    ResponderExcluir
  6. Tu não consegue nem conhecer a Inglaterra a longo prazo, Mariana Lopes, como eu? Acho que só vou pra lá no meio do ano que vem, ou seja, dois anos economizando...

    Enfim, fico realmente feliz que tu tenha gostado daqui e espero que apareça mais vezes! :3

    :*

    ResponderExcluir
  7. Gostaria muito de conhecer Las Vegas! parabéns pelog blog! se quiser retribuir..




    www.Tec-Gamesbr.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Tenho vontade de fazer intercambio (Londres).

    Na boa, amei o blog. As imagens, de mais *-*

    ResponderExcluir
  9. Acho a melhor coisa para fazer quem tem essa oportunidade. Pq não tem gente, inglês ou outro tipo de língua estrangeira FLUENTE só indo para lá mesmo.
    http://diariodeumacdf.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. sempre quis fazer intercâmbio... quem sabe eu consiga na outra vida, se tiver...

    ResponderExcluir
  11. É bem legal mesmo, eu fiz intercâmbio no Canadá!
    É uma experiência e tanto, outra cultura, clima, é sensacional =D

    ResponderExcluir
  12. Se eu fosse fazer um intercâmbio, seria pra Londres mesmo, Tomar jeito! Mas acho isso o blog já denuncia, né? HAHAHA. :P

    Fico feliz que tu tenha gostado do blog. Por favor, volte sempre. ^^

    :*

    ResponderExcluir
  13. Olha, Geicivane, até acho que dá pra ter fluência em inglês sem visitar um país anglófono, já que nós estamos constantemente em contato com a língua no com a língua no cotidiano. Já com o resto não é tanto assim, né? De qualquer modo, parece um modo delicioso de praticar. :)

    :*

    ResponderExcluir
  14. Bem, Guru, sempre há a possibilidade de guardar dinheiro por anos, como eu tou fazendo pra viajar! :P

    :*

    ResponderExcluir
  15. Pra onde tu foi no Canadá, Marília? Se quiser compartilhar a tua experiência com a galera, entra em contato comigo! :D

    :*

    ResponderExcluir
  16. Achei muito legal seu contato com o ingles logo de cara! Eu sempre me imagino na mesma situação hahaha

    ResponderExcluir
  17. Amo este blog!!rs

    Muito legal a descrição da experiência da sua amiga!
    Não tenho assim muita vontade de fazer intercâmbio talvez um especialização fora, ainda não sei.
    Mas com certeza adoraria passear por cada um destes lugares citados aqui!

    Amei o post.

    Bjs Mylla.
    http://my-literarylife.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  18. Eu provavelmente só vou dar bola fora quando estiver em Londres por causa do inglês também, Lucas! HAHAHAHA.

    :*

    ResponderExcluir
  19. Awn, Bruna, que amor!

    Pois é, acho que intercâmbio pra mim não deve rolar. Mas tenho vontade de fazer doutorado-sanduíche, sabe? Passar um semestre fora e tal. :)

    :*

    ResponderExcluir
  20. Uau! Acho intercâmbios maravilhosos, mas acho que se fizesse um não seria pros EUA. Se eu fosse a Gabriela, teria escolhido a Inglaterra, sem dúvidas. rs' O post e blog estão maravilhosos, Mylla. Um beijo grande! :*

    railmamedeiros.blogspot.com

    ResponderExcluir
  21. Muito, muito bom o post. Tenho interesse de fazer intercâmbio e estou me programando para ir final desse ano, mas to bem perdido. Vou ir visitar algumas agências para me informar sobre os locais e tudo mais.
    Parabéns pelo blog.
    Já estou seguindo.

    Comenta e Segue meu blog também. Código Literário.
    http://codeliterario.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  22. Ai, amo esses seus posts com entrevista de ex-intercambitas, Mylla!

    Acho que eu ia morrer se fosse fazer intercâmbio em qualquer um dos três lugares que ela citou como opção, mas é claro que eu ia preferir a Inglaterra, concorda? KKKK Imagina ficar alguns dias na California? Morri nessa parte e já fiquei desesperada! KKKKK Acho que eu ia ter um troço em Nova York com tanta coisa pra fazer, pra ver, pra comprar e pra conhecer. Sem comentários!

    Amei, amei.
    Beijos,
    Monique <3
    http://www.secretsofalittlegirl.com/

    ResponderExcluir
  23. caramba intercambio nos estados unidos é tudo de bom para quem vai
    conhecer uma nova cultura,aprimorar
    o inglês,pena que isso não foi feito
    para mim.

    ResponderExcluir
  24. Olá :)

    Que intercâmbio maravilhoso!
    Confesso que, um dos meus destinos turísticos do sonho é os EUA... Hehehe

    Beijinhos

    ---
    www.jehjeh.com

    ResponderExcluir
  25. Como você já deve imaginar, eu também teria escolhido Inglaterra, Railma! Hahaha. Fico realmente feliz que esteja gostando do blog, querida. :)

    :*

    ResponderExcluir
  26. Ai, Gustavo, que invejinha! Pra onde tu quer ir? E por quanto tempo? Faça orçamentos em várias agências e depois me conta! :D

    Ah, e muito obrigada.

    :*

    ResponderExcluir
  27. Eles tão meio que virando meus posts preferidos por aqui, Monique! :3

    Eu tenho uma quedinha por NY e não ligo muito pra Califórnia, mas é claro que a Inglaterra vem em primeiro, né? HAHAHAHAHA.

    :*

    ResponderExcluir
  28. Acho que intercâmbio pra qualquer lugar deve ser bom, Eumacle! Mas por que tu acha que isso não é pra ti?

    :*

    ResponderExcluir
  29. Acho que sou uma das poucas que não dá lá muita bola pros Estados Unidos, Jeh. Me sinto até meio estranha por isso, viu? :P

    :*

    ResponderExcluir
  30. eu tenho loucura pra fazer uma viagem dessa!

    http://seenovidadeeuquero.blogspot.com

    ResponderExcluir
  31. Alguém podia ir para a Turquia, né?!!

    ia ser ótimo!!!!

    adoro todos os seus comentários, acrescentam algo!!

    ResponderExcluir
  32. Eu estou louca pra fazer intercâmbio. Gostaria de ir pro Canadá. Mas, também tenho uma quedinha por New York. Esse post me deixou confusa. Nem sei mais pra onde quero ir: Canadá ou New York?
    auhsau'
    beijos,
    obrigada pela visita :)
    the-mandie.blogspot.com

    ResponderExcluir
  33. É verdade, Pergunte. Tá mais do que na hora de aparecer alguém que foi pra um lugar totalmente incomum! Vou ver se arranjo alguma vítima, hahaha.

    E muito obrigada. :)

    :*

    ResponderExcluir
  34. Tu viu que eu já entrevistei uma menina que foi pro Canadá mês passado, Amanda? Pois leia o post dela e faça uma comparação! o/ Hahaha. Eu particularmente tenho uma quedinha por NY. xD

    :*

    ResponderExcluir
  35. Naum curto os estados Unidos, Gosto de países transpiram cultura, E lá a lei do consumo impera...

    ResponderExcluir
  36. Acho meio complicadas essas afirmações que tu fez, Marília. Primeiro porque, se agente for levar pro lado antropológico da coisa, todos os países e povos têm cultura. Todos. Então seria mais questão do que nos atrai ou não, né? Em segundo lugar, acho complicadíssimo reduzir os Estados Unidos à tal lei do consumo, especialmente porque estamos olhando de fora. Como ficaria uma cidade tipo NY nessa história, por exemplo? Pra mim, pelo menos, a cidade é um mosaico cultural imenso! Enfim, não concordo com muitas das estratégias políticas dos Estados Unidos, mas isso, pra mim, não torna o país e o povo de lá menos interessante. Não mesmo. Mas enfim, divago.

    :*

    ResponderExcluir
  37. meu maior sonho é fazer intercâmbio, vai ser dificil, principalmente porque eu sou muito timida e imagina ficar em uma pais onde eu não conheço ninguem? mas o maior objetivo é de superação mesmo, aprender a ser mais solta, porque la so tem uma opção ne? se soltar.
    adorei a entrevista. beijos.

    http://marinawho.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  38. Pior que eu sou meio tímida também, Marina, mas é meio como tu disse: intercâmbio é uma experiência que ensina a gente a superar vários obstáculos. :)

    :*

    ResponderExcluir
  39. Nunca tive muita vontade de conhecer os EUA. Provavelmente só NY, que é uma grande pólo cultural - assim como São Paulo.

    ResponderExcluir
  40. Eu penso mais ou menos como tu, Jurema! Não vejo tanto apelo nos Estados Unidos, mas NY tem algo de especial. :)

    :*

    ResponderExcluir