Viagem dos sonhos: a história da Tainara

27 novembro 2012


Eu vou começar meu depoimento avisando que eu sou uma péssima turista. Diferente da maioria das pessoas, eu detesto visitar pontos turísticos e monumentos, muito menos museus. Obviamente, não é sempre que eu consigo escapar deles...

Quando viajo, tento ver as partes da cidade que me interessam ou chamam atenção, mas o ponto alto para mim é quando eu saio do meio dos turistas e arranjo um lugar estratégico e passo horas ali, observando como é a vida naquela cidade. Quando faço uma excursão com amigos e familiares, na maioria das vezes me decepciono. No fim do trajeto posso dizer que vi todos os lugares famosos, pontos turísticos, mas não ouso dizer que
conheci o lugar.

O verbo
conhecer é muito importante quando eu viajo.

Em julho do ano passado ganhei uma bolsa de estudos da universidade para passar um mês estudando inglês fora. Na época eu morava na Espanha e freqüentava a Universidad de Sevilla, cursando Letras Inglês-Espanhol. Me empolguei muito com a idéia de aprimorar meu inglês sem gastar muito dinheiro, e entrou a dúvida:
onde?

Eu já havia visitado Londres duas vezes, mas meu grande amor sempre havia sido a Escócia. Numa busca incessante de boas escolas e cidades interessantes, me decidi por Glasgow, pois tinha dois amigos de lá. Foi a melhor coisa que fiz.

Por mais que Edimburgo me deixaria mais perto de todo aquele ideal Potteriano que a cidade inspira com a mísera idéia de que J. K. Rowling vivera e escrevera alguns dos livros ali, Glasgow era menos turística e não menos encantadora.

A paixão veio desde o começo, o clima do verão era de 15-20ºC, os dias eram cinzentos, a garoa estava presente a qualquer momento e eu podia tomar chá preto com leite como uma louca por apenas uma libra. Glasgow era
a inspiração em forma de cidade. Enquanto meus amigos corriam de um lado para o outro, crentes de que quanto mais monumentos, catedrais e museus eles entrassem mais eles saberiam sobre os glaswegians, eu apenas me sentava num desses cafés baratos e simples e observava com atenção como era o cotidiano dos escoceses. Desde presenciar as múltiplas xícaras de chá Earl Grey, como seria esperado, até vislumbrar às 8h da matina um café da manhã pouco convencional: uma caneca de cerveja acompanhada por um muffin de blueberry. A cultura me seduziu sem limites e de repente eu percebia como o clima influenciava nas maneiras e gestos, que influenciavam na fala e gírias, que influenciavam no gosto e por aí em diante.

O ápice da loucura foi ir com uma amiga francesa que também quer ser escritora até a Necrópole da cidade (que é linda e as pessoas passeiam com seus os cachorros lá) com nossas cervejas escocesas e passar a tarde observando a cidade e escrevendo, já que é o ponto mais alto de Glasgow.

No fim das contas fiquei dois meses lá, e fui embora com gosto de quero mais, com desejo de voltar e ficar lá para sempre. Nesse tempo, tive a oportunidade de viajar e visitar outros lugares como Stirling, St. Andrews e Edimburgo. Todos lindos e merecedores de aplausos. As vistas da Escócia são mil vezes mais bonitas que o filme mais bonito que eu havia visto, e as pessoas são surpreendentemente amigáveis, amáveis e divertidas – nada a ver com os londrinos que eu havia conhecido.

Foi durante esses dois meses de pura magia que tive a oportunidade de conhecer o lugar onde J. K. Rowling escreveu o primeiro livro de Harry Potter:
The Elephant House, um café-bar-restaurante que fica na cidade de Edimburgo. Eu me sentei no mesmo lugar que ela costumava sentar, observei a vista para o Castelo que inspirou Hogwarts e achei lindo. Era um sonho se realizando. Os banheiros do café estão completamente customizados, os clientes escrevem na porta e nas paredes mensagens para a escritora, os personagens e passagens dos livros. Eu não consegui conter as lágrimas, foi um sentimento muito bonito.

Bem, essa foi minha experiência. Espero ter transmitido um pouquinho do amor que tenho pela Escócia, em especial por Glasgow e, claro, ter colocado a pulga atrás da orelha de alguns para que vocês tenham vontade de conhecer mais sobre esse país tão incrível!




Tainara Paulon Protásio tem 23 anos e vive em São Paulo. É professora de inglês e espanhol; nas horas vagas, é escritora. Pode ser encontrada no Facebook, no Fanfiction e em seu blog pessoal. Quer sua história publicada aqui também? Basta entrar em contato para mais informações. A intenção é postar pelo menos um relato a cada mês.

10 comentários

  1. Meu deus, quase chorei aqui lendo isso. Primeiro porque você escreveu e descreveu lindamente. Segundo porque, puxa, como você tem sorte. Só aumentou meu sonho de ir para lá logo.
    Bjs


    http://thisunderdog.blogspot.com



    ResponderExcluir
  2. Tomara que tu consiga ir logo pra lá, Letícia! :D

    :*

    ResponderExcluir
  3. Letícia, que bom que você gostou das descrições! Espero que teu sonho se realize em breve!

    Mylla, obrigada pela oportunidade de compartilhar minha experiência em Glasgow ;)

    O hey London é fabuloso, love, parabéns! :3
    beijos :***

    ResponderExcluir
  4. Olá, visitem o meu blog.
    Nele tem tudo o que nós amamos, moda, makes e etc.
    Beijos
    www.meupequenocloset.wordpress.com

    ResponderExcluir
  5. Adorei ver alguém falando da Escócia aqui ... é um lugar que tenho muiitas vontade de conhecer, parece ser lindo mesmo <3 , tenha certeza que despertou ou renovou a vontade das pessoas de conhecer ! \o

    ResponderExcluir
  6. Eu que agradeço pela tua disposição e pelo carinho de sempre, Tai linda! <3 Sempre que quiser, o blog estará aberto pros teus textos, viu? :)

    :***

    ResponderExcluir
  7. Opa, Meu Pequeno Closet, pode deixar. :P

    ResponderExcluir
  8. Despertou a minha vontade, viu, Mônica? Agora não sei se vou emendar Londres com algum canto da Escócia ou com a Holanda. :P

    :*

    ResponderExcluir
  9. Depois desse post ... emende com Escócia <3 hueuhe, pelos filmes e google parece um paraíso D:

    ResponderExcluir
  10. Tá difícil decidir, Mônica, queria ver tulipas! >_< HAHAHA.

    :*

    ResponderExcluir