Intercâmbio na Inglaterra: a experiência da Sara

27 dezembro 2012


Última entrevista do ano aqui no blog! E para fechar com chave de ouro, mais um relato sobre a Inglaterra. Quem vai contar como foram os dias por lá é a Sara de Paula, que é do interior de São Paulo. Atualmente ela faz cursinho e ainda emenda a preparação para o vestibular com estudos de inglês, espanhol e francês. Ufa! Vocês podem encontrá-la através do Facebook, do YouTube e do Ask.fm.

Como sempre digo, os comentários estão à disposição para que vocês tirem dúvidas mais específicas. Sei que ando falhando em mediar esse contato entre vocês e os entrevistados, mas juro que tento, gente. Hahaha. E se por acaso vocês conhecem outras pessoas que já fizeram intercâmbio e curtiriam contar pra gente como foi, peçam para que elas entrem em contato comigo por aqui ou pelo Facebook, tá?


Por que a Inglaterra?

Eu sou completamente apaixonada por viajar, e a Europa me fascina desde sempre. Intercâmbio sempre foi um sonho e a Inglaterra sempre me chamou a atenção pela história. De certo modo é um tipo de cultura que combina comigo. Eu estava praticamente indo para Toronto, mas quem deu a palavra final foi minha mãe. A oportunidade de poder viajar para outros países contou muito na hora de escolher a Inglaterra e por incrível que pareça o preço estava mais em conta que Toronto e Filadélfia, por exemplo. No fundo, eu sempre quis Inglaterra, mas estava um pouco preocupada com o câmbio da moeda e gastos adicionais.


Como foram os preparativos para o intercâmbio?

Os preparativos do intercâmbio até que foram rápidos. Em 2010 eu tinha ganhado uma bolsa de intercâmbio de um ano, mas naquele ano não tinha a vaga que eu queria, e eu tinha que optar por ir para a Índia, por exemplo, ou esperar e pagar para um lugar que realmente me chamasse a atenção. Resolvi esperar e em janeiro de 2012 tive a resposta que eu não tinha passado no vestibular, então eu iria viajar. Minha mãe coletou informações sobre diferentes agências e fomos na CI e na Just Intercâmbios. Pesquisamos três destinos: Toronto, Filadélfia e Bournemouth. Entre preços e comodidades, escolhemos a Inglaterra. Os preparativos aconteceram em dois meses. Foram várias pesquisas e coleta de informações. Escolha de escola de inglês, seguro viagem, tipo de acomodação, as passagens, transfer do aeroporto. Também tínhamos que analisar quais roupas levar e o modo que eu receberia dinheiro para me virar. São inúmeros detalhes em que agência te auxilia.


Como foi a sua vida de intercambista? As melhores partes e as nem tão agradáveis assim?

Eu tenho um amigo que diz: quem diz que a melhor fase da vida é a infância é porque nunca viveu um intercâmbio. Foi a melhor experiência que eu poderia ter vivido. A escola de inglês era maravilhosa, foi incrível ter o contato com tantas culturas diferentes. Na minha sala, por exemplo, tinha coreano, colombiano, árabe, francês, italiano e por aí vai. Na minha segunda semana, fui a um jogo do Chelsea e Londres e conheci meu ídolo. Ficamos amigos por mais surreal que isto se pareça. Certo dia, passeando por Londres, a rainha estava saindo do Palácio e foi interessante poder vê-la de tão perto. As melhores partes de se fazer um intercâmbio é o contato com a liberdade e a experiência de ter que se virar sozinha em diversas situações, é um jeito de crescer muito rápido, é uma certa análise de si mesmo que te permite ver o que é realmente importante na vida. As viagens também foram emocionantes, viajar pela Europa com 17 anos e sozinha! Ah, e com certeza as amizades que ficam para sempre.

As partes desagradáveis: primeiro de tudo é se despedir, eu não queria ir embora não! Haha. Segundo é aquela sensação de que há pessoas que você pode não ver nunca mais. Terceiro é engordar, não adianta, mulheres sempre engordam em intercâmbio, no meu caso foram quase 10 kilos. Quarto, casa de família não é fácil, conheci diversas pessoas que encontraram pessoas maravilhosas e outras que tiveram muitos problemas. A minha estava no meio termo. Era difícil não poder viver no seu próprio espaço e depender sempre do outro, dividir o banheiro com muitas pessoas, entre outras coisas.



Como foi lidar com o inglês?

Quando eu estava indo, eu senti um certo frio na barriga só de pensar em falar em inglês, mas quando eu cheguei lá, foi super natural. Eu fui no upper intermediate, que é um pré-avançado, mas lá tive que voltar ao intermediário. Quando eu pisei no aeroporto, encontrei um motorista que me levou até Bournemouth, ele foi muito simpático e eu consegui manter duas horas de conversa numa boa. Na casa foi um pouco mais complicado porque o host father tinha um sotaque mais carregado e era difícil entender. Eu acho que a maior dificuldade fica na primeira semana, você começa acostumar o ouvido e o seu próprio modo de falar. Mas com o tempo, tudo se acerta, eu vejo meus vídeos e comparando o meu sotaque e naturalidade ao falar, entre minha primeira e última semana a diferença é realmente grande. O jeito é não ter medo, porque no meio do caminho você encontra inúmeras pessoas na mesma situação, erra e aprende junto.


Quais são os lugares imperdíveis a serem visitados na Inglaterra, na sua opinião?

Eu acho que isto depende do gosto de cada um, mas vamos lá.

Pontos turísticos principais:
- Buckinghan Palace. A casa da rainha é um lugar que todos devem conhecer, os parques laterais também, as ruas laterais tem uma variedade de compras incrível também.
- Big Ben e a Westminter Abbey (onde aconteceu o casamento do Príncipe Willian com a Kate), é bem perto, quem quiser pode fazer um tour, e a London Eye (a maior roda gigante do mundo.
Esses lugares são os principais e quem não souber inglês e não quiser usar o sistema de metrô, trem ou ônibus, dá para usar aqueles ônibus de dois andares turísticos. Há paradas estratégicas, e você faz seu próprio roteiro, para onde quiser ir.

Para quem é fã de Harry Potter, é imperdível fazer o
tour especial ou até mesmo ir até a estação 9¾, eu tirei foto lá. Aos fãs de Beatles, não se pode perder a chance de ir para Liverpool! Em Londres tem uma loja personalizada na Baker Street e, claro, a Abbey Road. Falando em Baker Street, é lá que fica o museu do Sherlock Holmes, como sou apaixonada por este detetive, não perdi a oportunidade de passar por lá. Este museu fica pertinho do Museu de Cera (Madame Taussads), custa 30 libras (100 reais), mas é muito legal e engraçado, as imagens são perfeitas.

O British Museum, a National Gallery e Museu da Guerra também são muito interessantes, e o melhor, são gratuitos.

Camden Town é um lugar imperdível para compras baratas e diferentes, e claro, não se pode perder de ir na Oxford Street. Meninas, H&M e Primark são os paraísos das compras.

Aos fãs de futebol, como eu, não se pode perder uma partida de futebol inglês, no meu caso, fui ao Stanford Bridge, que é o estádio do Chelsea, e é totalmente diferente. Vale muito a pena.

Há também shows imperdíveis na O2 Arena, e não são caros. Vale a pena conferir preços e ver se interessa. Assim como baladas, tem festas incríveis lá e, no caso das mulheres, até certo horário a entrada é franca. E claro, tem os pubs, que são gratuitos e terminam a noite com baladinhas.

Isto faz parte de Londres, mas como vivi em Bournemouth, sou apaixonada por lá e pelas cidadezinhas ao redor, que contam bem a cultura inglesa e são super fofas. Windsor, onde tem o famoso castelo, que é muito legal. Ele é gigante e a troca da guarda é também muito legal. Oxford é uma cidade com aspecto bem antigo e abriga umas das universidades mais antigas do mundo, para quem curte cultura, é um lugar e tanto.

Há muita coisa imperdível a se fazer, tudo depende do gosto, prioridade e dinheiro disponível, se souber administrar, sai bem em conta e viajar é emocionante, e pela Inglaterra mais ainda. Ir para a Europa é emocionante!

13 comentários

  1. Que massa Mylla, adoro quando você trás pra cá os relatos das pessoas que já fizeram intercâmbios, gostei de todos mais essa aqui da Sara foi o melhor.

    Nossa que coisa maravilhosa, só de ver o que ela conta já fico me imaginando conhecendo esse monte de lugar, espero mesmo um dia visitar a Terra da Rainha e me deslumbrar com todas as historias que a Inglaterra tem pra contar aos seus visitantes.

    http://www.caiquemedeiros.com/

    ResponderExcluir
  2. Oi Kamylla! Descobri seu blog ainda ontem, mas deixei para ver direito hoje. Ainda tenho esperança de um dia poder viajar pelo mundo e, acho que do mesmo jeito que Sara, sou louco pra conhecer Inglaterra! Gostei da entrevista, e a partir de agora seu blog vai ficar no meu favorito aqui!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  3. Uia, que bom que tu gostou tanto assim, Caique! :D

    No dia que tu visitar a Inglaterra eu quero um relato teu também, combinado? Hahaha.

    :*

    ResponderExcluir
  4. Oi, Eurico! Bem-vindo ao blog! Espero que ele te ajude a sonhar um pouco mais com o mundo inteiro, viu? E claro, espero te ver por aqui mais vezes. :)

    :*

    ResponderExcluir
  5. Sabe que eu comecei a pensar sobre intercâmbio na Inglaterra por um motivo completamente diferente, mas acabei me apaixonando pela história inglesa (sempre fui mais fascinada pela história grega.) Eu adoro essas entrevistas sobre intercâmbios na Inglaterra porque querendo ou não, todos que vão para lá, voltam (ao menos ligeiramente) interessados pela história inglesa, cheguei á conclusão de que é inevitável não se apaixonar por um país tão vanguardista e tradicionalista ao mesmo tempo! (: ps: Adoro seu blog... (:

    ResponderExcluir
  6. Também sempre fui fascinada pela história grega, Laura, mas acho que é muito difícil achar alguém que conheça a história da Inglaterra e não goste dela, viu? E é o maior motivo pra eu querer visitar a Inglaterra, sem dúvidas. :)

    Muito obrigada!

    :*

    ResponderExcluir
  7. Ler a experiência da sara é realmente muito bom, tenho planos de ir a londres embora ainda não esteja certo quando, mas um dia eu vou!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tu tem planos de turistar ou fazer um intercâmbio também, Agatha? Seja o que for, toda a sorte do mundo!

      :*

      Excluir
  8. Ai que bacana esse relato!
    Acabei de voltar de Bournemouth, e é simplesmente incrível! Quero ir morar lá, sério mesmo... Já estou com saudades! ):

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tu foi fazer intercâmbio por lá também, Eliana? :)

      Excluir
  9. oi Flor adorei seu blog, estou na luta para fazer um intercâmbio também, vou pra Califórnia,USA em Julho de 2015 é quando termina minha faculdade... bjosssssssssss

    ResponderExcluir
  10. Olá... Amei o blog! De todos os intercâmbios para a Inglaterra, realmente esse foi o melhor! Também vou fazer intercâmbio lá e estou em dúvidas sobre diversas cidades. Pensei em Bristol, Bath e Torquay, cidades menores. Mas não queria muito longe de Londres. Tenho grande dificuldades com o Inglês, e optei cidades menores para ter melhor imersão na língua inglesa (menor índice de brasileiros). Alguém já foi para essas cidades? Qual agência vocês indicam? Já olhei a Experimento, STB, Birds, CI, IE, EF... são tantas... Qual é a média de gasto mensal em libras? Quero visitar tudo isso! Pretendo ficar 3 meses, dá para aprender mesmo? (Quem não sabe nada). Tenho 22 anos, e pensei em ficar numa host family para aprimorar o inglês, mas ao mesmo tempo quero um pouco de liberdade... Oh.. Quanta Dúvida! Me ajude!!!

    e-mail: alinesxf_@hotmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Aline! Não conheço ninguém que tenha ido para as cidades que tu comentou, mas imagino que não seja tão difícil achar relatos na internet. Já considerou a possibilidade de fazer um intercâmbio em Brighton? Fica perto de Londres e provavelmente tem menos brasileiros. :)

      Em relação às agências, sei que as melhores são CI, STB e EF. Nunca viajei por qualquer uma delas, mas cheguei a entrar em contato com todas e o pessoal da CI foi mais atencioso.

      Sobre os gastos, é bem relativo. Se você pretende mesmo ficar em casa de família, vai gastar menos com alimentação e comer bem em Londres não é nada barato. Diria que entre 50 e 70 libras por dia está de bom tamanho para um intercâmbio em casa de família, provavelmente você nem vai gastar tudo isso.

      Já sobre o inglês, imagino que três meses não sejam o suficiente se você não sabe absolutamente nada. Mas se você tiver uma base legal, acho que dá pra engrenar na língua sim. Nos dois casos, ficar em casa de família vai ajudar bastante!

      Excluir