The roads not taken

06 fevereiro 2013


Esse deveria ser um dos momentos mais felizes da minha vida. Faltam apenas duas semanas pra minha formatura, começo minha segunda faculdade no próximo mês e as passagens pra Londres já estão compradas. Bem mais do que o suficiente para garantir os sorrisos de qualquer um, certo? Mas não sei. Tudo o que tenho conseguido sentir nas últimas semanas é um enorme pesar.

Suspeito que todas essas coisas que deveriam me deixar feliz estão na origem desse sentimento ruim. Convenhamos, é bastante cômodo estar no ensino médio ou no superior. Entramos achando que vai demorar um século para acabar e, na maioria do tempo, é exatamente assim que parece. Quando acaba, porém, é como se o chão sumisse sob os nossos pés. O que fazer, daí?

E então você vai me responder o óbvio: a faculdade nova. E eu vou ser obrigada a admitir que talvez essa não tenha sido a melhor idéia que já tive. Veja bem, estou prestes a me tornar uma licenciada em História e a última coisa que eu desejo no mundo é dar aulas. O que é que eu vou fazer com duas licenciaturas no currículo, afinal? Nem a pós-graduação, que parecia o caminho certo, me atrai mais!

A verdade é que eu tenho a impressão de que todas as decisões que tomei há cinco anos foram decisões erradas e que agora já é um pouco tarde pra tentar outras coisas. Sei que não sou velha, mas quero conquistar minha independência e gastar os próximos anos pulando de área em área definitivamente não vai fazer com que eu me aproxime dela tão cedo. E aí me passa de tudo pela cabeça: começar meu próprio negócio, fazer concurso público ou, sei lá, trabalhar numa agência de intercâmbios e viver dos sonhos dos outros...

Sei que vocês não estão acostumados com esse tipo de desabafo por aqui, mas eu precisava botar tudo isso pra fora. Toda essa angústia vem me fazendo realmente mal; minha agressividade atingiu níveis alarmantes e tanto a minha pele quanto os meus cabelos parecem mais frágeis do que de costume. Também não consigo me olhar no espelho e gostar do que vejo. Tudo parece errado, sabem? Nem meu sorriso me agrada mais – e olha que ele era uma das poucas coisas que eu realmente amava em mim.

33 comentários

  1. Mylla, nossas escolhas são difíceis mesmo!!!
    Quando terminei a facu, não sabia se faria outra ou uma pós. Depois de um ano optei pela pós, hoje sou formada nas duas...e agora sinto uma enorme vontade de fazer outra...mas tbm fico na dúvida, outra facu, outra pós...
    Tabém sou da área de educação e consigo entender perfeitamente o que você está sentindo...mas boa sorte nesse seu novo caminho. estou torcendo por ti!!!

    beijinhos
    http://www.euvejotudocorderosa.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tu tem vontade de fazer o que, Mônica? ^^ E muito obrigada pela torcida, viu? <3

      :*

      Excluir
  2. É assim mesmo :( Eu não passei por muitas coisas ainda, tenho só 16 anos, mas já tô experimentando um pouco disso, pois esse ano termino o ensino médio e ainda não tenho nem ideia de qual curso quero fazer na faculdade (e isso tem mexido com meu humor de maneira que eu não julgava ser possível). Tenta não cobrar tanto respostas de si mesma, porque isso só vai piorar. Pense sobre com calma e tenho certeza que você vai escolher o melhor pra ti.
    Te indiquei pra uma tag no meu blog... Se responder avisa lá :} Gostaria de ver suas respostas. E, caso já tenha respondido, me desculpe. Beijão!
    http://churroseoutrasdrogas.blogspot.com.br/2013/02/tag-das-blogueiras.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom, Ana, mas tu ainda tem um tempão pela frente, certo? Faz uma lista de tudo o que tu te imagina fazendo e de todas as tuas aptidões, talvez te ajude de alguma forma. Mas se tu acabar caindo em uma área que tu acha que não serve pra ti, não cai no mesmo erro que eu. Enrolei quase cinco anos na História e agora tô aqui, completamente perdida. :(

      Boa sorte! <3

      :*

      Excluir
  3. Nunca é tarde demais pra tentar de novo, flor. Todo mundo, em algum momento da vida, passa por esse dilema. A pior coisa que você pode fazer nesse momento é se colocar ainda mais pra baixo e começar a procurar defeito em tudo que fez. Se acha que não quer dar aulas, não dê. Se quer começar um novo negócio, comece. Se quer só trabalhar e não fazer outra faculdade, trabalhe. Faça o que tem vontade. Eu passei um tempo trabalhando em um lugar que eu odiava. Resultado: teve um dia que acordei com tanta tristeza e raiva do que eu olhava no espelho que pedi demissão sem pensar duas vezes. Mas foi só depois que me dei conta do que tinha feito. E até hoje fico pensando se era o que eu realmente deveria ter feito. O que eu to querendo dizer é: pense mais um pouco antes de fazer algo que acha que vai se arrepender depois. Termine as coisas que começou, depois, faça o que te der vontade. Só lembra: nunca é tarde demais para nada. E se acalma, respira fundo e esfria a cabeça que com certeza você vai chegar à conclusão do que é melhor pra você :)

    Um beijão, http://dinha-vieira.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O problema é que eu tenho muitas vontades bem diferentes entre si, Dinha, aí tá meio complicado de escolher, sabe? Hahaha. Se pudesse, passaria minha vida estudando. Mas sei que minha família não tem condições de bancar uma vida dessas e nem eu quero ficar dependente deles pro resto da vida, então... Só sei que não quero lecionar. Viveria insatisfeita se tivesse de fazer isso pro resto da minha vida.

      Enfim, muito obrigada. <3

      :*

      Excluir
  4. Vá devagar e não se cobre tanto! Vá para Londres e veja o mundo se abrir para vc. Palavra de quem morou naquela cidade: depois que vc estiver lá, as opções serão infinitas. A partir daí, tente encontrar a opção que mais te deixará feliz! Confesso que não li o seu perfil e nem vi se vc tem um namorado ou noivo mas, de repente, quem sabe vc encontra um amor na "terra da raínha" e todos os planos que agora vc está se cobrando caiam por terra. Give yourself a break!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não sei se vinte dias em Londres serão suficientes pra me dar todas as respostas que eu preciso, viu, Iram. Haha. Mas sim, acho que tenho que pegar um pouco mais leve comigo mesma. :~

      Excluir
  5. Eu te entendo completamente.
    Tenho 23 anos e estou no 3º ano de Arquitetura, mas o meu sonho mesmo sempre foi ser Arqueóloga, porém nasci no país errado para isso, pois a graduação nesse curso só existe no estado do Piauí ( sou de SP) e é impossível para eu ir morar lá.
    Por fim, acabei cursando Design de interiores e agora Arquitetura, eu estou gostando do curso e de todo o potencial dessa profissão, porém eu nunca consigo me sentir apaixonada pela profissão, realmente realizada, pois o meu sonho verdadeiro nunca foi esse.
    O meu plano B é fazer uma po´s em Restauro e Conservação de Patrimônio Histórico, ou seja, vou dar um jeito de unir minha profissão com aquilo que eu sempre sonhei em fazer.
    Acho que você deveria procurar uma pós ou uma graduação que conseguisse unir o que vc já aprendeu em história e aquilo que vc sonha em fazer.
    Espero ter ajudado!
    Um bju!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alguns aspirantes a arqueólogos também acabam caindo em História, Nanda, então compreendo um pouco o que tu tá passando. :(

      Já pensei em tentar pós na área que eu quero, mas não sei se é bem isso. Querendo ou não, pós vai mais pro lado da pesquisa e da docência, né? E eu não quero isso. Quero trabalhar na área mesmo.

      Boa sorte! <3

      :*

      Excluir
  6. Eu te entendo perfeitamente porque eu passei pela mesma situação há dois anos.
    Eu já acompanho o seu blog por um tempo, sempre lendo os seus posts e sonhando com Londres (que também é o meu sonho e eu acho que de muitas pessoas que acompanham as suas mensagens por aqui). Senti a mesma coisa quando eu estava no meu primeiro ano de jornalismo, em Bauru. Uma universidade nova, com apenas dezoito anos e fora de sua cidade natal é um pouco complicado, principalmente para quem é tão novo! Acho que você me entende em partes e como o primeiro ano pode ser caótico! E me bateu uma incerteza! Se era mesmo isso que eu queria. Se eu deveria mudar o meu curso e abandonar o meu sonho de criança, que sempre foi ser jornalista! No final, para resumir, eu prestei vestibular de novo no final daquele ano para Relações Internacionais, mas eu não passei por 3 pontos. Acho que no final, foi um sinal que eu estava no caminho certo, só faltava um pouco de paciência da minha parte!
    Pense bem se é isso mesmo que você quer... seja a faculdade nova, a pós-graduação ou seja lá concursos públicos! Eu li em algum post seu que você gostava de pesquisa... tente se aprofundar no assunto, veja uma área que você gosta e investe e nada é perder tempo quando se corre atrás da felicidade! Lembre-se disso... você é nova, tem muito futuro pela frente!
    Espero ter ajudado de alguma forma!
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ironicamente, Jornalismo sempre foi a faculdade que eu quis fazer e para a qual eu estou pensando em finalmente ir, Ana! Hahaha. Tenho lá meus preconceitos com a área, mas não adianta. Eu realmente gosto de escrever e acho que seria extremamente feliz se pudesse fazer isso para um portal ou para um site, sabe? Tava até pensando esses dias como seria escrever pra uma revista de História, haha. Uniria basicamente tudo o que gosto. :)

      Muito obrigada, viu? Beijos!

      Excluir
  7. Sei exatamente como é esse sentimento. Há um mês atrás eu estava em casa, faltavam poucos dias pra minha viagem pra Londres, mas eu não conseguia me sentir nem um pouquinho bem. Eu só conseguia pensar no que eu faria quando eu voltasse no Brasil (Eu quero Relações Internacionais, mas não consegui), e até me sentia mal por estar viajando quando eu sabia que nem teria dinheiro pra faculdade.
    Eu chorava todo dia a noite, pensando no quanto minhas escolhas estavam sendo erradas, porque na verdade, o que eu queria, era me mudar pra Londres e viver escrevendo livros. Mas com a pressão de todo mundo, isso se tornou distante, e eu tive que me virar pra encontrar novos sonhos.
    E ai todo mundo vive dizendo que eu sou muito nova, mas sou igual você: quero minha independência logo!
    Mas depois que eu cheguei aqui em Londres, e vi como as coisas funcionam, vi que aqui tem gente de toda idade correndo atrás dos sonhos, eu percebi que é preciso ter paciência. E que sim, as vezes a gente faz umas escolhas ruins, mas se já foi feita, o jeito é lidar com ela da melhor forma possível.
    Então, relaxa, respira fundo. Tem muita gente torcendo pro teu sucesso. Você provavelmente tá exausta, então se concentra no quão perto o seu sonho tá de se realizar.
    beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que o fato de um sonho como esse de ir pra Londres estar perto de se realizar anda me preocupando mais do que me acalmando, viu? É meio como tu disse aí. Vou gastar uma pequena fortuna viajando, mas o que é que vou fazer depois? Sinto que vou ter que recomeçar do zero e não faço idéia de como. :(

      Excluir
  8. Tenho 34 anos e até hoje passo por essas coisas. E olha que sou concursada. Olho pra trás, em alguns dias, e me pergunto se não fiz apenas escolhas erradas na vida, se não devia ter feito outra coisa... é como se houvesse outra vida, para mim, lá fora, ou ainda outra Lilian vivendo a vida que eu deveria ter vivido. Pensar que abandonei a faculdade, dentre outros motivos, porque não queria dar aulas. Me arrependo disso, porque hoje eu poderia ser formada e fazer concursos públicos mais interessantes. Tenho muita vergonha de voltar a estudar. Provavelmente serei a tiazinha da turma e não saberei lidar com isso.

    Fora que tem horas em que eu olho ao redor e penso que jamais conseguirei viajar para o exterior. Como você vê, a gente tá sempre tendo esses altos e baixos. E eu sei o quanto é ruim, o quanto dói e o quanti a gente se odeia nessas horas, mas da minha experiência, vai por mim: isso também vai passar. :)

    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha, Lilian, conheci muita gente que entrou pra História bem além dos trinta e quatro anos e que brilhou porque era simplesmente o que queriam fazer a vida inteira. :) Fora que o contato com gente de todo tipo de origem e de idade é uma das coisas mais ricas que a gente pode encontrar em uma faculdade, né?

      E sim, eu sei que vai passar. Sempre passa, certo?

      Boa sorte pra gente. <3

      Excluir
  9. Acho que todo mundo passa por uma fase dessas, né? O ruim é que não existe uma solução, só o tempo cura. Na verdade, quando eu fiquei assim, eu fiz uma coisa que deu certo: Tentei algo novo. Às vezes esse sentimento é uma monotonia enrustida de tristeza, vai por mim. Tenta escrever um livro, aprender um instrumento, visitar um lugar novo, não sei...

    Eu, que deveria estar mega feliz por ter passado na faculade que eu queria, não fiquei mega entusiasmada. Sei lá, parece uma coisa pequena perto do que eu realmente quero (ir pra londres hehe). Eu tenho consciência que só vou ficar "completa" quando voltar, então até lá eu vou levando do melhor jeito possível :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então, trabalhar com qualquer coisa que não esteja ligada a História é algo novo pra mim, Nat. E é o que eu tô tentando fazer, haha. Mas acho que no meu caso vai mais além. É meio que um medo de não conseguir andar com as minhas próprias pernas, sabe? De depender dos outros pro resto da vida. Também acho que rola um pouco de impotência, porque quero fazer várias coisas e sei que não vou ter como...

      Ir pra Londres é uma grande fonte de preocupação pra mim agora, e não de alegria. Queria tanto que esse sentimento fosse embora. :(

      Excluir
  10. Só o que posso dizer é que vim parar aqui no acaso pq o nome "London" me chamou a atenção.. e simplesmente me identifiquei ao ponto de chorar, muito. Estou no mesmo barco. Sentindo as mesmas coisas que vc. Em 24hs viajo para Londres para fazer um curso que vai mudar minha vida e estou absolutamente assustada, com medo de não ser boa o bastante.. Estou com 29 anos e recomeçando e sofrendo uma pressão incrível! de fora e de dentro de mim..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anninha, vou te dizer o que ando dizendo comigo em relação à faculdade nova: relaxa e tenta! Claro, no teu caso tem toda essa coisa de país diferente, gente falando outra língua, adaptação... E, querendo ou não, tudo isso contribui pra insegurança. Mas mesmo que esse curso não preencha e não tenha nada a ver com o que tu quer mesmo fazer da tua vida, a experiência vai compensar.

      Sucesso! <3

      :***

      Excluir
  11. Vai em frente use seus objetivos que é viajar. Não sinta angustia de está fazendo má escolha, mas sim está fazendo o melhor pra você e para seu futuro. Formatura chegando e não fique ansiosa nem pensando o que eu posso fazer de errado. Cabeça pra cima e vai conhecer esse pais que te proporcione as melhores coisas do mundo. abs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Viajar é um grande objetivo meu, Rodrigo, de fato! Mas acho que pra fazer isso pro resto da minha vida, eu preciso antes alcançar minha estabilidade, entende? E é com isso que eu tô preocupada agora. :(

      Excluir
  12. Mylla

    Sei exatamente o que você sente. Acredite!
    Me formei há mais de 2 anos em algo que já na metade do curso eu tinha certeza não ser o que eu queria pra minha vida. Terminei pra não deixar pela metade. E não tive coragem de começar outra.
    Talvez a comodidade de estar na casa dos meus pais, saber que eu "não precisava" correr por ainda ser nova, me fez acomodar. E ainda estar assim, meio sem rumo.
    Mas passa, eu sei que vai passar. Eu só preciso encontrar o meu foco, decidir o que realmente eu quero pra minha vida. E nossa, isso é tão dificil. TÃO! E já não estou tão nova assim.

    Bom, só pra te dizer que você não é a única, e que vai passar. Você tem tudo pra se encontrar, só precisa perceber!

    Vai atrás dos seus sonhos, e quem sabe em meio a eles você não encontre seu foco da vida inteira?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Minha relação com História foi exatamente a mesma que a tua com o teu curso, Nat! Apesar de amar História, sei que não é com isso que quero trabalhar. Só não deixei o curso de lado porque não saberia lidar com o sentimento de fracasso e com o que os outros diriam caso eu largasse, mas no fim acabou que fez lá muita diferença...

      Sério, MUITO obrigada pelo comentário. Espero que isso passe - pra mim e pra ti. <3

      :*

      Excluir
  13. Oi, que lindo o blog. Eu acho que eu já vim aqui no blog outras vezes, mas essa eu tive que comentar algo. Você está de parabéns.
    Estou passando aqui para dizer também, que tem post novo e que dia 15 desse mês tem sorteio de aniversário do blog. E se quiser me seguir lá, é só avisar que eu sigo de volta.
    Beijos,

    Blog: www.junhiimce.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz que tenha gostado do blog. ^^

      Excluir
  14. Estou há alguns meses de me formar também, e entendo perfeitamente essa sensação...passei a faculdade inteira dizendo "isso aqui não acaba nunca", e agora parece que tô no sentido contrário, tentando voltar, para o tempo não passar rápido. Adorei o post, acho que 90% conseguem se indentificar com ele. O medo sempre existe, acho que o segredo está em não abaixarmos a cabeça para ele.

    Amei o blog,
    beijos
    http://minhalocadoradeideias.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Thata, muito mais gente acabou se identificando com esse sentimento do que eu gostaria, viu? :(

      Mas vou tentar levantar a cabeça e experimentar tudo que tenho vontade até encontrar algo que me apaixone. Ficar aqui sentada é que não vai resolver nada, né?

      Beijos!

      Excluir
  15. Sabe, eu sou daquelas pessoas que acreditam que tudo que acontece, acontece com uma razão e um motivo que agora nós não podemos entender, mas que um dia vai fazer todo o sentido do mundo. Eu tô no último ano do ensino médio e não posso dizer que sei o que você tá sentindo agora, mas pode ter certeza que eu sei como é querer ter logo a independência de escolher meu caminho. E eu acredito que, se você sabe o que quer, um dia eventualmente, você vai conseguir. Posso não te conhecer, mas pelo que vejo você é uma sonhadora, assim como eu, assim como muitos. E pode ter certeza que os tempos estão dificeis para sonhadores, mas um dia, vamos conseguir alcançar todos nossos sonhos, que trarão a felicidade. Um conselho? Respira fundo e vai procurar o que te faz bem, o que faz você se sentir plena, o que faz você se sentir mais você mesma.
    Enfim, espero que você fique bem e logo as coisas se resolvem :) beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu espero que tu esteja certa, viu, Bárbara? Tomara que tudo um dia se encaixe e faça sentido! Mas o problema, agora, é que eu tenho várias opções e tenho medo de fazer a escolha errada, perdendo ainda mais tempo. :(

      Muito obrigada pelo comentário, querida. De coração. <3

      Beijos!

      Excluir
  16. Amei o seu post, e me identifiquei muito! Também estou indo para Inglaterra, por um período maior, 6 meses, e a viagem que deveria ser motivo somente para alegria virou motivo para angústia. Assim como você me formei em uma área que não vejo futuro, Direito, pois nunca gostei do curso e agora não me vejo trabalhando em nada relacionado a área, nem OAB tenho vontade de fazer =( Me culpo por ter me deixado levar pelas pressões alheias, por não ter largado a tempo e hoje sinto que preciso dessa viagem. Até minha mãe concordou sobre isso, para me ajudar a limpar mente, respirar novos ares, ter novas experiências e quem sabe voltar uma pessoa melhor. Porém eu sei a fortuna que estão pagando por essa viagem, e a consciência dói um pouquinho as vezes, não sei se você passa por isso, mas eu me sinto como se não merecesse ela, sabe? Pesa também o fato de não saber o que fazer quando voltar de lá, assim como você, quero minha independência logo, mas mais assustador do que 5 anos em um curso novo, são 5 anos gastos estudando para um concurso, isso sim me assusta! Meu conselho pra você é: você não é a única, então respira, vai dar tudo certo. Eu sei que existem essas pessoas abençoadas que sabem o que querem desde sempre, mas fazer o q? Todo mundo é diferente. Quando chegar da sua viagem, tenta arranjar um emprego, não precisa ser um que pague muito bem, mas você precisa se manter ativa e tirar um pouco o peso de que tudo que você tem é pelos seus pais. Acho que isso já ajuda bastante, e é o que eu vou fazer. Lhe desejo o melhor!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é que eu não sinto que não mereça a viagem, Fernanda, até porque eu juntei dinheiro por bastante tempo e tal. Mas ainda parece uma coisa tão distante que nem consigo me empolgar, sabe? Fora que rola aquela paranóia de que tô gastando todas as minhas economias em algo "supérfluo" e depois não vou ter onde cair morta. :(

      Mas eu concordo com a tua mãe, acho que uma viagem dessas ajuda a limpar um pouco a cabeça. Já decidi que vou estudar pra faculdade nova e pra alguns concursos até julho, depois resolvo se mudo de faculdade, se arrumo um emprego mais simples... Enfim. Não adianta ficar na neura e acabar não fazendo nada por causa disso, né? Um passo de cada vez que um dia a gente chega lá. ^^

      Boa viagem e boa sorte! <3

      :*

      Excluir