A luta pelo sufrágio feminino na Inglaterra

08 março 2013

Manifestação pelo sufrágio feminino. Londres, 1910.


Todo dia oito de março é a mesmíssima coisa. Flores, bombons, e-mails com descontos especiais das nossas lojas favoritas, muito cor de rosa e mensagens breguinhas que buscam exaltar atributos considerados inerentes ao feminino, como beleza, fragilidade física, grande amplitude emocional, maternidade e por aí vai.

Porém, como historiadora e feminista, creio que seja meu dever lembrar que o real motivo de celebração nessa data é a constante busca das mulheres pelos direitos que nos foram negados ao longo dos séculos. E é por isso que hoje eu resolvi falar de um capítulo bem importante da história da Inglaterra: a luta pelo sufrágio feminino.

A primeira inglesa a reivindicar abertamente direitos iguais para homens e mulheres foi Mary Wollstonecraft. Já no fim do século XVIII ela defendia que dois dos principais fatores para a desigualdade entre os sexos eram a educação diferenciada e o cerceamento da liberdade das mulheres por convenções das quais a sociedade não conseguia se desvencilhar.

Felizmente, as idéias e os escritos de Mary atravessaram o século e serviram como fonte de inspiração para muitas mulheres, tanto na Inglaterra quanto nos Estados Unidos. Mesmo separadas pelo Atlântico, inglesas e americanas fundaram uma organização em defesa do voto feminino, a International Women’s Suffrage Alliance. Em um primeiro momento, suas manifestações eram moderadas e preocupadas com a obediência às leis.

Contudo, na medida em que elas foram percebendo que a causa estava longe de ser levada a sério, a militância ganhou contornos verdadeiramente agressivos. Já nos primeiros anos do século XX não era tão incomum assim que as suffragettes vandalizassem edifícios, provocassem incêndios ou manuseassem explosivos. Centenas delas foram presas. Emmeline Pankhurst, uma das líderes do movimento na Inglaterra, foi presa nada menos que doze vezes no espaço de um ano!

O início da Primeira Guerra Mundial fez com que a campanha perdesse boa parte de sua força e foi só depois do fim do conflito que o parlamento inglês aprovou uma reforma eleitoral. A partir daí, mulheres que tivessem mais de trinta anos e atendessem a determinados requisitos estavam aptas a votar. A promulgação da lei que estabelece o sufrágio universal aconteceria apenas em 1928 – coincidentemente, mesmo ano do falecimento da Sra. Pankhurst.

Sou profundamente grata às sufragistas inglesas e a todas as mulheres que, anonimamente ou não, lutaram pelo meu direito de estar aqui hoje, publicando esse texto sem precisar me esconder sob um pseudônimo masculino, prestes a começar uma segunda faculdade e cheia de sonhos a serem realizados. Um mundo sem desigualdades de gênero é um desses sonhos, sem dúvidas. Torço para que seja um dos sonhos de cada um de vocês aí também.

47 comentários

  1. Melhor 'homenagem' ao dia de hoje que vi foi a sua. :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Puxa, Laísa, tu não sabe como teu comentário me deixou feliz e orgulhosa! Muito obrigada, viu? <3

      :*

      Excluir
  2. Muito certa em seu post. Hoje,definitivamente, não é dia de desconto em lojas (isso de ser todo dia) e nem de flores e bombos (isso deve ser sempre), hoje é um dia pra pensar a igualdade, seja política ou econômica (as duas juntas, na verdade).
    Seu texto me remeteu a John Stuart Mill, um de meus teóricos políticos preferidos e que defendia na Inglaterra o sufrágio feminino (não só votar, mas também ser candidata).
    Muito se conquistou,mas ainda temos muitas conquistas pela frente.
    Parabéns pelo post!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem, seu lindo! Que bom te ver por aqui! <3

      O Mill é citado nos artigos que eu usei como base pra escrever esse texto, haha. Só evitei citar vários nomes e datas pra não deixar a história muito confusa. XD

      Muito obrigada pelo comentário, viu? Fiquei tri feliz de te ver por aqui, querido. :)

      :*

      Excluir
  3. Não esperava ver um post tão elaborado, interessante que realmente fizesse jus ao dia das mulheres. As mulheres do passado, que realmente enfrentaram os obstáculos, é que merecem esse dia especial. É por causa delas que somos bem aceitas no dia a dia da sociedade. Ótimo post <3
    Beijão, Unsaid Things

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, sem dúvidas não podemos esquecer de todo o esforço que elas fizeram! <3 Mas ainda há muita coisa a se fazer, haha, então temos que continuar o bom trabalho. ^^

      :*

      Excluir
  4. muito lindo sua homenagem, parabéns seu blog é lindo
    Feliz dia das mulheres *----------------------------*

    http://girl-ies.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Melhor de todas as homenagens, muito bom mesmo!

    http://nem5minutos-guardados.blogspot.com.br/2013/03/think-geek.html

    ResponderExcluir
  6. Excelente texto.
    Não tenho nada contra as flores, presentes ...
    Mas não devemos esquecer o verdadeiro significado do dia!
    E o respeito precisa existir o ano inteiro.
    E tenha certeza que esse também é um de meus sonhos ^^
    E sou grata a essas pessoas que me deram a oportunidade de ser tão "livre" que às vezes me dou ao luxo de esquecer que algumas pessoas lutaram e lutam por essa 'liberdade'.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahaha, eu também não tenho, Mônica, mas acho triste quando o oito de março é reduzido a isso. :(

      Amei teu comentário! <3

      :*

      Excluir
  7. Exelente post de homenagem! Que saudade de visualizar teus posts+comentar, da vida blogueira espero que meu pc retorne logo para eu voltar ao mundo maravilhoso dos blogs favoritos! s2

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bá, vou ficar na torcida pra que o teu pc volte logo e eu possa te ver mais por aqui, Ana! :D

      :*

      Excluir
  8. Post muito bacana e diferenciado de muitas que já vi. Realmente, o dia das mulheres, quer dizer a conquista dos direitos nas leis ,foram frutos de muitas lutas. Eu acho que para completar esse inúmeros direitos que as mulheres conquistaram, eu posso mencionar o nome da escritora Simone de Beauvoir que fez essas idéias que estavam nas leis serem praticados empiricamente para todas as mulheres a partir do seu livro o Segundo Sexo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Simone é uma grande inspiração, Reylton! <3 Tenho o segundo volume de O Segundo Sexo aqui em casa, hahaha, mas quero encontrar o primeiro antes de ler. :3

      :*

      Excluir
  9. Belíssimo texto. Pensei que você iria falar sobre como o movimento surgiu também nos Estados Unidos, com as 130 tecelãs nova-iorquinas que foram trancadas dentro de uma fábrica em chamas e carbonizadas após pedirem redução na jornada de trabalho de 16 para 10 horas. Este fato deu-se em 08/03/1857, por isso foi eleito este dia como o "dia das mulheres", em 1975, pela ONU. Mas claro, teu blog é londrino, por isso não poderíamos tecer comentários nova-iorquinos. Embora estes tenham sido mais chocantes que os eventos ingleses ): De todo modo, feliz dia da mulher para ti Mylla e para todas as leitoras do teu blog!

    Sempre lembrando que acho um absurdo existir um dia em homenagem às mulheres. Acho que deveria existir um dia, então, para chorar as tecelãs incendiadas, mas não um dia para exaltar o cor-de-rosa e o amor feminino. Penso que nomear um dia para a mulher ainda é uma forma de preconceito, pois estamos dizendo que os outros 364 dias NÃO são da mulher. Contudo, isso é só a minha opinião...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso sem contar que a data foi eleita em 1975, quase 120 anos depois das mortes em Nova Iorque, época em que as indústrias tiveram um grande avanço tecnológico e coincidentemente na época em que o consumismo desenfreado começou a ser lançado em mídias. Às vezes penso que tudo não passou de mais uma oportunidade que o sistema capitalista criou para arrendar dinheiro através de presentes. Daqui a pouco 11 de setembro também virará dia internacional de alguma coisa.

      Excluir
    2. Eu até pensei em citar rapidinho essa história, Rodrigo, mas acho que acabaria sendo muita informação para um texto tão curto. Fora que por ser o evento que deu origem à data, ele é amplamente citado todos os anos, né? Então resolvi trazer outro capítulo que também considero importante para a história das mulheres. :)

      Não vejo o dia internacional como uma data preconceituosa, de forma alguma. Pelo menos não acredito que essa tenha sido a intenção da ONU, apesar de todas as bizarrices que a gente vê... Acho que o objetivo principal fazer com que nunca esqueçam que as mulheres só conquistaram a cidadania porque lutaram muito pra isso ao longo de muitas décadas. E ainda lutam, em todos os dias do ano. Enfim. É um símbolo da coisa toda.

      :*

      Excluir
    3. E olha, eu até acho que o Dia Internacional da Mulher foi apropriado pelo ~sistema~ como basicamente qualquer outra data, mas também não dá pra esquecer que a década de 1970 é importantíssima pro movimento feminista. Provavelmente foi pela pressão da mulherada da segunda onda é que a ONU tenha feito essa escolha. :)

      Excluir
  10. Tem um selinho especial esperando por vc !
    Confira:
    http://nospodemosfazerisso.blogspot.com.br/2013/03/ganhei-um-selo.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que selo bonitinho, Francieli! Muito obrigada. :)

      Excluir
  11. Mylla,
    O texto foi brilhante! Eu não sabia muita coisa sobre o sufrágio feminino e as consequências desse movimento!
    Adorei saber um pouquinho mais sobre a história da Inglaterra!
    Parabéns por lembrar que o Dia Internacional da Mulher não foi criado, apenas, para ganhar flores e chocolate, mas para ser lembrado pelas nossas lutas por igualdade entre os sexos e pelos nossos direitos! :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que tu gostou dele, Ana! <3

      E não precisa agradecer, hahaha, acho que é minha obrigação como historiadora lembrar desse tipo de coisa. ^^

      :*

      Excluir
  12. E que tal o esforço de homens que lutaram para você ter o direito de votar. É muito insano por parte das feministas creditarem o sufrágio unicamente aos movimentos feministas, que não eram nada diplomáticos. Porque você, como a historiadora que você diz que é não pesquisa sobre o Marquês de Condorcet, César Zama, Saldanha Marinho, Almeida Nogueira, Maurício de Lacerda e tantos outros homens que travaram uma luta de peso real para que as mulheres pudessem se emancipar? É porque são homens?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas quem disse que eu não acredito que alguns homens tiveram participação na história? Especialmente considerando que a política era (e ainda é!) dominada por homens. Inclusive, alguns dos maridos das sufragistas inglesas estavam profundamente envolvidos no movimento e tudo mais. De qualquer forma, o protagonismo do movimento sufragista é delas e do movimento feminista idem. Na minha concepção de feminismo, todo homem com um mínimo de empatia está mais do que convidado a ser juntar ao feminismo - e esse mínimo de empatia inclui reconhecer que é um movimento de mulheres e para mulheres. :)

      Excluir
    2. Ai ai ai, IUZOMI, tadinho duzomi, ninguém lembra duzomi que foram os que não deixavam as mulheres votarem em primeiro lugar.
      É uma bosta a gente não poder ser protagonista NA NOSSA PRÓPRIA LUTA por que sempre tem um machinho chorando e enchendo o saco.

      Excluir
    3. Já pensou que louco se um homem lutasse pelos direitos das mulheres porque é o que qualquer pessoa com o mínimo de bom senso deveria fazer, e não pra ter seu ego massageado? Não tá fácil, hahaha.

      Excluir
    4. Na realidade os homens foram as peças chaves para o sufrágio feminino, na maioria dos países e principalmente no Brasil. As organizações feministas como a WSPU praticavam incêndios, terrorismo e até mesmo atentados contra vida do primeiro-ministro Asquith (ações que, definitivamente foram um estorvo ao sufrágio feminino; a Revista Feminina n.93 fevereiro de 1922 denuncia o feminismo da época como sendo “anarchico, belicioso, ridículo e incoerente.”) Por isso a emancipação das mulheres sempre foi muito posterior às manifestações, porque o feminismo não adiantou nada, só estorvou. Enquanto vocês ficam idolatrando as suas feministas que só mancharam a honra das mulheres praticando manifestações ridículas, beligerantes e vândalas (e que ainda fazem); vocês retiram os méritos de muitos homens e mulheres que não tinham nada a ver com o feminismo e que fizeram todo o trabalho de verdade. Enquanto a maior parte da mulheres eram contra o sufrágio universal e desejável viver em um mundo onde a sombras dos homens pairavam sobre elas. A própria mulher exigia que o homem trabalhasse para sustentá-la e foi isso que gerou as desigualdades. Quero ver quando uma mulher será mulher o bastante para assumir a culpa que elas tiveram em gerar as desigualdades que elas reclamariam depois. Porque não vão estudar antes de acharem que devem para o feminismo os direitos que possuem hoje, que devem obediência incondicional ao movimento. Aprendam mais sobre a história de verdade, sobre Marques de Condorcet, sobre Walter Longo, John Stuart Mill, Cézar Zama, Saldanha Marinho, Almeida Nogueira, Maurício de Lacerda e sobre mulheres não-feministas como Celina Guimarães Viana. Não tem ninguém chorando aqui, tem alguém aqui com muita raiva da falsidade feminista em distorcer a história para tapiar as mulheres conseguindo o apoio cego delas.

      Excluir
    5. Mas é claro que os homens foram peça chave! Hahaha. Foi exatamente o que eu disse no comentário anterior, se a política for majoritariamente composta por homens, quem é que vai acabar dando a palavra final? É meio lógico, né?

      E olha, preguiça de coisas como "manchar a honra das mulheres", "maior parte das mulheres queria coisa x", "mulher o bastante pra fazer coisa y" e "história de verdade". Se você soubesse o mínimo de história e historiografia, não faria tantas generalizações grosseiras.

      Ah, e sobre seus queridos Marques de Condorcet, Walter Longo, John Stuart Mill, Cézar Zama, Saldanha Marinho e Almeida Nogueira: pra mim não fizeram mais do que a obrigação.

      Agora vai lá chorar na caixa de comentários do blog da Lola porque eu não sei se você viu, mas meu blog não trata sobre feminismo e essa postagem tem quase um ano.

      Beijos.

      Excluir
    6. Se não há generalizações como você diz. O feminismo não merece os méritos que você deu no artigo, isso também é uma generalização e tanto. Minha maneira de pesquisar história é científica, me atendo aos fatos, provas, documentos, evidências, assim, discordo de quem ouve a professorinha feminista doutrinar e acha que está está aprendendo história. Concordo que esses homens fizeram uma obrigação. Mas, quando o feminismo surgiu tinha também essa obrigação mas preferiu fazer baderna e vandalização e tentativas de homicídio, atualmente refletido na marcha das vadias. Portanto, o feminismo nem sequer a obrigação delas cumpriu ou cumpre. Após décadas de feminismo, tanto homens quando mulheres estão na pior, sofrendo violência, sendo oprimidos, a obrigação feminista de igualdade de gênero nunca foi cumprida e nunca será (afinal o feminismo vive da desigualdade). Quando você me mostrar que não era a própria exigência das mulheres que faziam com que os homens tomassem as rédeas da sociedade, aí você vai ter moral para dizer que isso e uma generalização grosseira. O fato é que seria necessário muita humildade para admitir a culpa das próprias mulheres por trás de tudo isso; é mais fácil criar o mito do machismo para poder projetar essa culpa em outrem, culpa que a mulher nunca teve a coragem de assumir ela própria.

      Excluir
    7. Particularmente, acho que o feminismo merece os méritos, sim. Generalização seria se eu dissesse que o feminismo é perfeito, porque ele não é e nem teria como ser. Existem diversas querelas e opiniões dentro do feminismo com as quais eu não concordo, mas isso, pra mim, não invalida a idéia principal. Generalização é você dizer que o feminismo nunca serviu e ainda não serve pra pra nada. Generalização E machismo, tá? Se machismo fosse mesmo um mito, eu teria comprovado a existência dele hoje através de vários trechos dos seus comentários, hahaha.

      E amigo, eu não tô preocupada em ter moral com você e também não vou scanear meu diploma ou mandar o link do meu currículo Lattes pra mostrar que as idéias que tenho a respeito do assunto têm respaldo em pesquisas, leituras e muita reflexão a respeito da realidade que me cerca. Se você aacredita que eu ~acho que aprendi história com a professorinha~ feministas, problema é seu. Você não me conhece, não sabe nada da minha trajetória acadêmica e pessoal. E não me interessa, de todo, dialogar com quem faz isso sem qualquer disposição ou empatia. Repito: meu blog não é feminista e se você tivesse dado uma olhada nele, entenderia porque contei a história do sufrágio inglês.

      Sério, vai lá aproveitar o seu domingo e deixa de lado discussões com desconhecidos na internet porque não vale a pena. Passar bem.

      Excluir
    8. Só acho que, antes de ter essas opiniões deveria pesquisar mais. Ser um historiador não é repetir livros acadêmicos e nem repetir as obras de outros. é pesquisar por si mesmo. Se fizer isso com mente aberta, tenho certeza que irá descobrir muitas coisas sobre o feminismo atual e histórico que te deixará chocada. Só não se esqueça que, ao apoiar um movimento, você apoia todas as idéias contidas nesse movimento, inclusive as coisas que você é contra. E passa a ser culpada por tudo o que o feminismo faz, porque apoia.

      Excluir
    9. Você já parou pra pensar que eu posso ter pesquisado bastante ao longo dos meus SEIS ANOS de vida acadêmica pra chegar às conclusões que eu cheguei? E que, pasme, elas podem ser diferentes das suas?

      Talvez você é que precise abrir a cabeça e parar de achar que questionar a formação de quem discorda de você é um bom recurso argumentativo.

      E olha, eu não tenho problema algum em assumir defeitos nas coisas que gosto ou apoio. Acho que faz parte, infelizmente não vivemos em mundo ideal e bonitinho que existam coisas essencialmente boas e más.

      Excluir
    10. Não questionei sua formação diretamente. Questionei o artigo. Nada além do que os livros atuais dizem. A mesma péssima qualidade de informação. Nunca se questionou porque Emmeline foi presa tantas vezes? O que fez o movimento feminista que ela liderou? Inclusive contra pessoas que apoiavam o sufrágio universal? O seu artigo possui as mesmas omissões contidas no livros. Por isso critiquei. O artigo é que refletiu o que a escritora pensa.

      Excluir
    11. Meu Deus, acho que você precisa reler o texto. Tem um parágrafo SÓ sobre os atos de vandalismo e a Emmeline é citada no MESMÍSSIMO parágrafo. Tem que ser muito tapado pra achar que ela foi presa por, sei lá, ATIRAR FLORES EM POLICIAIS, né?

      O artigo não entra em pormenores por ter sido pensado para um blog, não por eu achar que elas eram santinhas ou que devem ser vistas dessa forma. Como uma mulher que MANUSEIA EXPLOSIVOS pode ser boazinha, meu Deus? HAHAHAHAHAHAHAHA.

      Acho que você tá direcionando suas críticas pra pessoa e pro meio errado, só isso. Não é pra uma blogueira que tenta escrever no máximo cinco parágrafos por postagem que você tem que esbravejar, e sim pra quem escreve artigo científico e acha que tudo se resume a ~luta de classes~. Se tu quiser, posso tentar encontrar os artigos que usei pra construir esse texto e aí você manda um e-mail pro autor (ou pra autora), combinado? Inclusive, acho que todos citam o Mill e/ou maridos de sufragettes, aí você que se entenda com a ~péssima qualidade de informações~ deles e pare com todo esse mimimi desnecessário pra cima de mim.

      Excluir
  13. Muito engraçado você convidar os homens a participarem do feminismo. E depois obrigá-los a reconhecer que é um movimento só para mulheres. Assim como o machismo foi um movimento só para homens, onde só elas podiam trabalhar, votar. Hoje o feminismo pratica o mesmo nível de sexismo, onde só mulheres tem direito à saúde, proteção, leis exclusivas, direitos exclusivos, nada de igualdade desviando os recursos públicos para beneficiar só as mulheres. Se aposentam mais, contribuem 5 anos à menos e recebem 5 anos à mais, isso deixa o INSS em déficit, aí quem precisa de verdade, mesmo mulheres idosas ou doentes não tem. Enchem a mulher de direitos trabalhistas exclusivos, que fazem os homens serem mais visados no mercado de trabalho, aumentando o desemprego feminino. Criam leis ridículas e exclusivas de proteção contra a violência que não dão aos homens a mesma opção pacífica para os homens se protegerem da esposas, e isso aumenta a violência contra a mulher, quando o homens decide revidar por não ter outra alternativa. A maior causa dos problemas femininos hoje em dia é esse feminismo terrorista que vocês defendem. Homens e mulheres só terão igualdade real quando essa corja de feministas-comunistas-abortistas forem destituídas do poder imerecido que conquistaram.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pô, véi, tu tem um .txt pronto no teu desktop pra comentar nos blogs que encontra no Google? HAUHAUHAUHAUHAUHAUAHUAHAHA.

      Só digo que: http://data2.whicdn.com/images/94068670/thumb.jpg

      Excluir
    2. Gente, você é doente, tu tem noção que tu vive em um mundo onde uma mulher sofre violência doméstica a cada 10 segundos? Em que mulheres são forçadas a se casarem com homens que elas não conhecem? Que mulheres tem os seus rostos mutilados para não serem ~atraentes~? Em quem mulheres sofrem mutilação genital para não serem capazes de sentir prazer sexual? Em que mulheres não tem direito de decisão sobre seus próprios corpos? Em que a vida de um amontoado de células sem cérebro e sem sistema nervoso tem mais direitos do que a mulher?
      Você tem consciência disso?
      Você tem consciência de as mulheres tem seus corpos e mentes abusados por homens desde o início da humanidade são até hoje consideradas cidadãs de segunda classe?
      E você vem reclamar das mulheres?
      VAZA MRA, NINGUÉM TE QUER AQUI.

      Excluir
    3. ~FEMINISTAS-COMUNISTAS-ABORTISTAS~

      ESQUECEU DO GAYZISTAS

      BJS

      Excluir
    4. Carolina, já se questionou do fato que são as próprias feministas que dirigem essas pesquisas de violência, pobreza, etc. Nunca suspeitou que são pesquisas forjadas? Por exemplo, essa pesquisa de uma mulher a cada 10 minutos e tals, sabia que ela é feita baseada em meras entrevistas com voluntários? Já parou para pensar na péssima qualidade no resultado de uma entrevista baseada em entrevistas? Eu mesmo já baixei o relatório de uma e notei que são feitos perguntas diferentes para homens e mulheres. Para a mulher perguntaram: "Você já agredida por algum homem?" para os homens perguntam: "Você já foi agredido por uma mulher que não seja sua mãe?" É por isso que o resultado sempre sai do jeito que as feministas querem. Nessa pesquisa, 18% das mulheres e 10% dos homens afirmaram já terem sido agredidos, dados manipulados. E esse negócio de 8 de março, que as mulheres foram queimadas e não sei o quê, sabia que é uma mentira discarada? Nunca aconteceu. Se o feminismo mente para vocês uma vez, não acha que ela mais, mais e mais sem voçês perceberem? Deixem de serem tapiadas por esse monte de mentiras que criaram para vocês ficarem com raivinha de homem. O feminismo é financiado por fundações comunistas (McArthur, Rockfeller) controladas por homens! Do pior tipo! Ligem o senso crítico de vocês. Só porque uma afirmação é doce aos ouvidos não quer dizer que seja verdade. Se as mulheres merecem créditos por suas conquistas, que sejam conquistas femininas e não feministas. Eu curto esse site, por isso não pude ficar calado ao ler esse artigo.

      Excluir
    5. Tá certo cara, só o que você acha que é verdade é que é real, todos os anos de pesquisa acadêmica, levantamentos de órgão públicos e privados e fatos históricos estão errados, você é o rei da verdade, parabéns.

      Excluir
    6. Só pra constar: amo homens, odeio misóginos. <3

      Excluir
  14. Você tem o direito de discordar e eu estou aberto para ouvir. Mas apresente argumentos, contra-argumente. O que eu disse vai ser verdade pra mim até você mostrar que eu estou errado. E isso você não fez. Porque você acha que o feminismo não forja as pesquisas? Que o comunismo não financia suas líderes? Que o feminismo não espalha calúnias sobre a classe masculina? Que o feminismo não cria uma desigualdade e uma discriminação que favorece a mulher ao invés de lutar por igualdade?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amigo: eu estou C-A-G-A-N-D-O pro que você acha ser verdade. Não adianta discutir com MRA, não me leva a nada. Boa sorte na sua vida, aposto que a sua mão direita te adora.

      Excluir
    2. Ataques pessoais é para quem já perdeu por falta de argumentos. É o que acontece toda vez que uma feminista é confrontada com os fatos. Logo, o governo vai deixar de levar à sério essa palhaçada.

      Excluir
    3. Eu fico me perguntando se você lê o que escreve antes de postar, eu recomendo ;)

      Excluir