Resenha: Charlotte Street

27 abril 2015


Se tem uma coisa que eu aprendi cedo foi a não confiar inteiramente nas preferências alheias. Por mais que alguém me diga que goste ou deteste muito alguma coisa, eu ainda vou sentir que preciso experimentar por mim mesma e tirar as minhas próprias conclusões. E se não fosse assim, provavelmente eu teria deixado de ler, ver e ouvir muita coisa maneira – na minha opinião, é claro.

Charlotte Street é um desses casos tão típicos na minha vida. Escrito por Danny Wallace e publicado no Brasil pela Editora Novo Conceito, o livro não é exatamente um campeão de críticas positivas ou de recomendações efusivas, mas é bom o suficiente para merecer uma chance. Até porque a capa dele é meio difícil de ignorar, né?

A história se desenrola sob o ponto de vista de Jason Priestley, um cara que acabou de perder a noiva, deixou seu emprego como professor e mora de favor com o melhor amigo em um apartamento minúsculo na Caledonian Road. Para pagar as contas, ele escreve críticas para o London Now, um jornal gratuito à beira de uma grave crise econômica.

A vida de Jason começa a ficar um pouco mais interessante quando ele tenta ajudar uma garota cheia de sacolas a entrar em um táxi na Charlotte Street. Os dois trocam um breve olhar e o nosso protagonista sente alguma coisa diferente nesse momento, mas ela logo vai embora. Porém, acaba deixando para trás uma pista a seu respeito: uma câmera fotográfica descartável.

Preciso dizer que o livro me fisgou por motivos altamente particulares. Ele se passa em Londres e Jason mora por um bom tempo na Caledonian Road, rua do hostel onde eu fiquei hospedada quando estive por lá. Sem contar que o cara é ex-professor e trabalha em um jornal, então a identificação foi inevitável. Mas o livro tem vários outros méritos, viu?

Para mim, Charlotte Street é exatamente o que diz seu subtítulo na edição brasileira: engraçado e irreverente. Não é aquela história cheia de momentos apaixonados que vão fazer você suspirar e o Jason certamente não é o protagonista regular dos romances que costumam fazer sucesso, mas rola sim uma empatia por ele e talvez até uma identificação durante a leitura.

E você, já leu Charlotte Street? O que acha do livro? Conta para mim!

6 comentários

  1. Eu sempre gosto de ler/ouvir/ver o que o povo fala mal para ter minha própria opinião a respeito e poder falar mal com propriedade hahaha Mas eventualmente eu me surpreendo. Me interessei por este livro. Vou colocar na lista =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Falar mal com propriedade. <3 HUEHEHUEHUEHE

      Excluir
  2. Quando eu escrevi uma resenha sobre ele, disse que era um livro bobo. E é. É fofo, mas dá uma certa raivinha das atitudes do cara porque ele é MUITO babaca em vários momentos do livro. :x

    Porém: Londres. ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, é bobo. Mas não é como se a gente tivesse que ler coisas profundas e inspiradoras o tempo todo, né? Hahaha. Acho que ele cumpre o que propõe e é isso.

      Só o fato dele ter um protagonista que faz merdas como basicamente todos nós já faz com que seja muito melhor do que quase todos os livros do gênero, na minha opinião. Eu senti raiva do Jason em várias partes do livro, mas senti pena também. E acho que ele aprendeu algumas coisas com as tretas que arrumou. :P

      Excluir
  3. Eu sou muito de ler, assistir, ouvir pra saber se gosto ou não, hehe. Já gostei de muitos livros mesmo após ter lido opiniões negativas, e fiquei feliz por ter me dado a oportunidade de lê-lo e tirado minhas próprias conclusões xD
    Ainda não li "Charlotte Street", mas quero fazer isso em breve porque esse livro está pegando pó na minha estante desde 2012 :~

    Beijos,
    http://mauraparvatis.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lê e depois me conta as tuas impressões! :D

      Excluir