Resenha: Unbreakable Kimmy Schmidt

01 abril 2015


Ultimamente ando meio viciada em séries. Uma das últimas que assisti foi Unbreakable Kimmy Schmidt, série criada pela comediante Tina Fey e por Robert Carlock e produzida pelo Netflix que estreou no início de março. É estrelada por Ellie Kemper, conhecida por The Office, Jena Krakowski e Titus Burgess, que trabalharam com Fey em 30 Rock.

A premissa é meio louca: é a história de uma mulher de quase 30 anos de idade que tenta levar uma vida normal em Nova York depois de ter sido resgatada de uma seita apocalíptica que a trancafiou em um bunker durante 15 anos com outras três mulheres e um reverendo maluco. Kimmy (Kemper) e as outras mulheres acabam ficando conhecidas como “molewomen” - ou mulheres-toupeira, em português – e ela escolhe esconder isso das pessoas para conseguir um emprego e um lugar para morar, o que acaba gerando situações muito engraçadas.

Não só Kimmy merece destaque, mas também o seu colega de apartamento Titus (Burgess) é especialmente hilário, assim como a vizinha maluca deles, Lillian (Carol Kane); a chefe ricaça e sem-noção de Kimmy, Jacqueline Voorhees (Krakowski) – que, aliás, tem uma das melhores side-stories da série - e a enteada da chefe, Xanthippe Voorhees (Dylan Gelula), que saca logo de cara que tem algo de muito estranho com Kimmy.

É empolgante acompanhar a evolução de Kimmy de uma adulta com mentalidade de uma adolescente dos anos 90 para uma mulher com ambições e força de vontade para parar de se esconder e ir contra quem roubou metade da vida dela. É interessante também acompanhar as outras mulheres-toupeira e ver o que acontece com elas após serem libertadas do bunker e como todas têm vidas completamente diferentes, mas ainda muito marcadas pelo acontecido.

Apesar de pegar um tema que deveria ser sério – sequestro e cativeiro de adolescentes – e que poderia ir para um lado bem tenso, Unbreakable Kimmy Schimidt é uma série leve e divertida, que traz situações inusitadas com personagens bem escritos e desenvolvidos. A minha única crítica à série é que eu percebi algumas semelhanças com a saudosa série Don’t Trust The B***** in Apartment 23, cancelada em 2013. Alguém que já assistiu às duas séries percebeu também?

Fica aí a minha recomendação. Os treze episódios da primeira temporada estão disponíveis na Netflix, assiste lá e conta para a gente se curtiu ou não. E quem já assistiu, comenta aí o que achou da série!

4 comentários

  1. Estou muito curiosa sobre essa série por causa dos vídeos que a Bruna Vieira tem postado no Depois dos Quinze, sempre ressaltando a moda e tudo o que é típico dos anos 90. Mas, de fato, essa é a primeira resenha que leio sobre a série. Parece ser bem divertida. :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainda não vi os videos da Bruna, tenho que dar uma olhada! Mas a série é demais!

      Excluir
  2. Começando a assistir agora, mas já to amando!

    http://www.omundoacabahoje.com.br/

    ResponderExcluir