Para ouvir: Queen

08 setembro 2015


Faltam dez dias para o show do Queen com o Adam Lambert e a ansiedade já está começando a pintar por aqui! Para lidar com ela, resolvi descrever a trajetória da banda e mostrar quais são suas músicas mais importantes, tanto para o mundo da música quanto para a minha história. Será que você já conhece todas? Confere aí!

Os primeiros anos

A história do Queen começou em 1968, fatídico ano da Primavera de Praga e do AI-5 aqui no Brasil. Em Londres, Brian May e Tim Staffel, dois jovens universitários, buscavam um baterista para sua banda recém-criada, o Smile. Depois de algumas audições, quem ficou com a vaga foi Roger Taylor, um estudante de Odontologia.

Nessa época, Tim Staffel se tornou amigo de Farrokh Bulsara, um rapaz que preferia atender pelo apelido de Freddie e se identificava bastante com o trabalho do Smile. Dois anos mais tarde, Staffel decidiu resolveu se juntar a outra banda e Bulsara incentivou Brian May e Roger Taylor a continuarem seu trabalho. Foi assim que nasceu o Queen.

Durante seu primeiro ano, o Queen teve uma verdadeira série de baixistas, mas nenhum parecia se encaixar totalmente com a proposta da banda. Foi só com a chegada de John Deacon que eles começaram a ensaiar as músicas que gostariam que integrassem seu primeiro álbum e fizeram seu primeiro show com a formação clássica, em Surrey.

Os primeiros álbuns

Por algum tempo, nenhuma gravadora se interessou pelo trabalho do Queen. Até que em 1973, a Trident/EMI abraçou a ideia e lançou o primeiro álbum da banda, que conta com músicas como Keep Yourself Alive e Seven Seas of Rhye. Uma verdadeira mistura de heavy metal com rock progressivo, a obra foi bem recebida pelos críticos.

No ano seguinte, a banda lançou nada menos do que dois álbuns: Queen II e Sheer Heart Attack. O primeiro alcançou o quinto lugar nas paradas de sucesso do Reino Unido e o segundo rendeu fama internacional ao Queen, com um bom desempenho na Europa e nos Estados Unidos. Particularmente, minha música preferida desse período é Killer Queen.


A Night at the Opera e A Day at the Races

Em 1975, o Queen gravou e lançou A Night at the Opera, disco que é reconhecido até hoje como o seu melhor. O álbum se tornou o mais caro produzido até então, mas o investimento valeu a pena: faixas como Love of My Life e Bohemian Rhapsody são reconhecidas no mundo inteiro e entraram para a história da música.



No ano seguinte, foi a vez do lançamento de A Day at the Races, que é considerado por muitas pessoas a continuação de A Night at the Opera. Seja qual for a sua opinião a respeito desse assunto, é inegável que o álbum tem seus próprios méritos e conta com algumas das melhores músicas do Queen, como Tie Your Mother Down e Somebody to Love.


Clássicos do Queen

Os discos seguintes da banda, News of the World (1977) e Jazz (1978), são os responsáveis por três de suas músicas mais icônicas: We Are the Champions, We Will Rock You e Don’t Stop Me Now. Ainda que você não entenda nada de Queen ou simplesmente não goste dos caras, é bem provável que conheça todas elas desde criança e até curta um pouquinho! Hahaha.




Sucesso mundial

No fim da década de 1970, o Queen embarcou em uma turnê que passou por Estados Unidos, Canadá, Europa e Japão. Eles também lançaram outro de seus maiores sucessos, Crazy Little Thing Called Love, uma música obviamente inspirada em Elvis Presley. Mais tarde, ela integraria a tracklist do álbum The Game, que também conta com Another One Bites the Dust.


Queen no Brasil

Em 1981, o Queen veio para a América Latina e se tornou a primeira grande banda de rock a tocar nos estádios daqui. A turnê contou com cinco shows na Argentina e duas apresentações no Morumbi, em São Paulo. Na sua primeira apresentação no Brasil, os caras conseguiram atrair cerca de 131 mil pessoas - a maior audiência pagante no mundo inteiro até aquele momento.

Mais alguns sucessos

Ainda no ano de 1981, o Queen trabalhou com o cantor David Bowie no single Under Pressure. Esta foi a primeira colaboração da banda com outro artista e mais um grande sucesso para a sua carreira, já que a música conseguiu alcançar o primeiro lugar no Reino Unido e é considerada até hoje uma das melhores de sua época.


Os anos seguintes foram bem turbulentos para o Queen, mas ainda assim eles conseguiram lançar dois álbuns: Hot Space (1982) e The Works (1984). O segundo conta com Radio Ga Ga e I Want to Break Free, duas músicas que são lembradas por quase todo mundo até hoje também. Afinal, como esquecer do clipe em que Roger Taylor aparece vestido de colegial, não é mesmo?


Rock in Rio

O ano de 1985 chegou e, com ele, a primeiríssima edição do Rock in Rio. O Queen foi escalado como atração principal em duas noites do festival e tocou para mais de 300 mil pessoas em cada uma delas. Na época, vários jornais se rasgaram em elogios para a banda por essa performance, que entrou para a história do rock e pode ser encontrada facilmente no YouTube.

Os últimos anos

No começo de 1986, o Queen lançou mais um trabalho de estúdio, A Kind of Magic. Além da música que dá nome ao álbum, outras fizeram sucesso, como Who Wants to Live Forever, que faz parte da trilha sonora do filme Highlander. Outra composição dessa fase da banda que eu também gosto bastante é Princes of the Universe.


No verão de 1986, o Queen saiu em sua última turnê liderada por Freddie Mercury. O ponto alto dessa série de shows foram as apresentações em Londres, que atraíram uma verdadeira multidão e mais tarde foram lançadas em CD e DVD com o nome de Queen at Wembley. Mais uma que merece ser buscada no YouTube, viu?

Depois de investirem em alguns projetos particulares, os membros de Queen voltaram a se reunir em estúdio e lançaram mais um álbum, The Miracle, de 1989. O grande destaque da tracklist é I Want It All, música perfeita para cantar a plenos pulmões, bater palmas durante o refrão e curtir o solo de guitarra sem medo de ser feliz!


A morte de Freddie Mercury

Os fãs de Freddie Mercury começaram a perceber que havia algo errado com ele no final da década de 1980. Suas aparições eram cada vez esporádicas e ele parecia muito mais frágil. No entanto, o cantor negava que estivesse doente e continuava a colaborar com o Queen. O resultado é Innuendo (1991), último álbum de estúdio da banda e um dos mais poderosos de sua trajetória.


Em novembro de 1991, em uma declaração preparada em seu leito de morte, Freddie confirmou que era portador do vírus HIV. Menos de 24 horas depois, ele morreu de uma pneumonia brônquica ocasionada pela AIDS. Ao longo dos meses e anos seguintes, uma série de tributos foram realizados em sua homenagem.

Colaborações

No ano de 2004, Brian May e Roger Taylor anunciaram que fariam uma turnê na companhia de Paul Rodgers, ex-vocalista da banda Bad Company. John Deacon, já aposentado, resolveu ficar de fora. A colaboração rendeu um álbum, The Cosmos Rocks (2008), que tem músicas bacanas como Warboys e Say It’s Not True.


Atualmente, May e Taylor rodam o mundo na companhia de Adam Lambert. A parceria nasceu em 2009, quando os veteranos apareceram na edição de American Idol em que Lambert era finalista. Então, eles começaram a se apresentar juntos e anunciaram sua turnê no ano passado, mas ainda não têm planos de lançar material inédito.

E aí, você gosta de Queen? Tem alguma música favorita? Comente!

4 comentários

  1. Queen é vida. É uma das bandas que não era nascida quando fazia sucesso mas hoje eu amo de paixão! <3
    ótimo post, é legal saber mais e mais deles <3
    beeeijos!
    http://livrosamoremais.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Queen é aquela banda que a gente já nasce conhecendo e amando. <3

      Excluir
  2. Queen, Queen, Queen e mil vezes Queen! ♥

    Não é concebível que qualquer pessoa que tenha um dedinho sequer de bom gosto musical não seja amante dessa banda, ou que curta pelo menos as mais famosas! Queen é aquele tipo de banda que mexe com os seus sentimentos, que te faz sorrir ou chorar, dependendo do seu estado de espírito.

    Confesso que, apesar de sempre ter curtido Queen, esse meu interesse cresceu mais depois de acompanhar o seu amor pela banda, My, na nossa fase de "adolescente gótico suave dos anos 2000". Hahahaha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. HUEUEHUEHUEHE, melhor fase! Acho que Queen é a única coisa que eu gostava nessa época e não me dá vergonha hoje. XD

      Excluir